sábado, 10 de abril de 2010

Moradores de rua



Eu vi o preconceito acontecer em plena luz do dia, as pessoas parece não temer se espressar.
Eu estava com minha irmã andando de Sk8 na praça arautos da paz em Campinas, dias assim de final de semana é cheio de crianças correndo e brincando, fica dificil de treinar lá, então me sentei e fiquei observando o movimento, havia um casal de mendigos sentados, a mulher, uma senhora, olhava as crianças brincar, os seus olhos brilhavam, logo imaginei que talvez ela já tivesse tido filhos e aquilo lhe trazia saudades, então uma familia sentou-se ao lado deles, sem reparar em seus trajes humildes nem nada, e jogaram uma bola para uma criança de pelo menos 3 anos ir buscar, a criança correu em direção da escada e nenhum dos responsáveis se preocupou em fazer algo diferente de gritar para o bebê sair de perto do buraco, a andante levantou-se e pegou a bola da criança, tirou-a da área de risco e removeu tudo que estava no chão que pudesse machuca-la, o marido da andante pegou a bola e começou a brincar com a nenem que caia na gargalhada, o pai do bebê levantou-se e pegou a bola, carregou o nenem e trouxe para mais perto da familia, quando a mãe do nenem se levantou e sugeriu que mudassem de lugar, os andantes continuaram sorrindo fingindo que não havia acontecido nada, sim, eles perceberam o preconceito da familia com eles, se foi triste para mim que estava de espectadora o tempo todo, imagina para eles.
Eu me levantei e fui até eles, fingi não saber nada do evento que iria ocorrer no dia seguinte para puxar assunto, eles me responderam gentilmente, na medida do possivel, então fiquei conversando com eles por pelo menos 1 hora e pouco, quando a andante começou a tossir muito de frio e eu sugeri que eles fossem se agasalhar para não ficarem doente, eles me deram umas "300" boa noite e ainda de longe acenaram com o braço, e foram para a ponte onde dormem.


Durante a conversa com eles, o segurança do local se aproximou para conversar, gentilmente ele perguntou sobre a familia e sobre a vida deles, ao decorrer da conversa eles me contaram coisas que me deixou entrigada, recentemente tentaram atear fogo no casal em quanto dormiam, no entanto eles variam, um dorme de noite e outro dorme de dia, para poderem se proteger, e a senhora foi atropelada por um rapaz de moto, se não fosse pelas pessoas em volta ela poderia ter morrido, ficou internada e com um calo enorme na cabeça. Ah, e ela esta com "bronquite", pelo o que disseram, não parava de tossir, se eu tivesse condições de chegar lá a tempo levaria uma sopa para eles, mas pela distancia provavelmente a sopa chegará fria, fora que eu nem sei se eu encontraria eles novamente. A mulher tem familia, mas ninguém quer saber dela. 
Eles são só mais um caso de muitos que sofrem nesse mundo, por isso escolhi essa imagem com essa frase que acho que deixa claro o que são as pessoas que vivem nas ruas nesse mundo, há sim pessoas que não querem mudar, mas será que não é porque nunca tiverem a educação e o ensino de que há maneiras melhores de se viver nessa vida?


Att,

0 comentários:

Postar um comentário

 

©2009 Amichta